Ads Top

Entrevista: Martin Freeman, o herói inesperado



Da série de perfis que do jornal The Guardian em ocasião do BAFTA 2013!

É sabido que Martin Freeman ama tanto seu personagem Watson em Sherlock que ele precisou recusar o papel de Bilbo Bolseiro em O Hobbit para fazer a segunda temporada. "Eu queria desesperadamente fazer o filme, mas eles colidiram", ele relembra. "E aí eu tive que dar adeus a O Hobbit. Eu não podia ir à Nova Zelândia." Com o desespero para não perdê-lo, a produção de O Hobbit foi adiada e, bem, sabemos o resto. "Eu tive dois dos mais incríveis trabalhos na televisão e cinema do momento. Soa bem arrogante, mas é verdade."

Ele continua a se impressionar com a histeria em volta de Sherlock. "Nós tivemos hordas de fãs gritando e tentando nos filmar com seus iPhones enquanto estávamos nas locações para a terceira temporada. Eu nunca tinha visto nada do tipo. Para um programa de televisão ter esse índice de audiência e clamor, é irreal. The Office ganhou tudo que podia mas nós não batemos East Enders (em audiência) em uma noite."

Freeman admite quer está ficando cada vez mais difícil surpreender os espectadores. "Até mesmo a gente está sendo mantido no escuro sobre os roteiros. No final da última temporada, nem Benedict nem eu sabíamos o que iria acontecer depois." Certamente ele sabe a rota que Sherlock pegou para sair daquele cliffhanger agora? "Ah sim, eu sei de tudo agora," ele diz. E se corrige: "bem, eu sei sobre aquela parte, de qualquer forma."

Box de série favorito "Minha esposa comprou pra mim Breaking Bad no Natal e eu estou achando tão viciante quanto crystal meth."

Melhor comédia da TV  "Qualquer coisa com Alan Partridge, então eu estou gostando de Mid-Morning Matters. Eu também gosto de Rev. poucas coisas na vida te deixam tão felizes quanto uma boa comédia."

Programa de TV favorito na infância  "Monty PythonThe Good LifeSome Mothers Do 'Ave 'Em, Fawlty Towers."

Guilty pleasure "Flog It. É melhor que Cash in the Attic."

Assista ao vídeo onde Martin responde a perguntas sobre como começou na indústria ("Escola Dramática, depois teatro, depois TV e cinema"), que qualidades são necessárias para ser um bom ator ("Disciplina é muito importante. É como o exército sem a matança. Educar o seu ego, já que sem dúvida temos grande ego senão não seríamos atores. Ser respeitoso, chegar na hora, saber suas falas...) e que conselho daria para um iniciante ("meu único, meu maior conselho ou lembrete seria: ame atuar, porque você irá precisar amar mesmo, por razões que vão além do que estamos fazendo aqui. Isso aqui é a cereja, não o bolo.")

Quote preferido: "Nós estamos ajudando a contar uma história, mas não somos a história. Não é e nem deve ser sobre mim, é sobre a história. Você precisa ser um sujeito dessa história. É muito fácil acreditar que você é importante porque as pessoas te tratam assim mas é importante tentar não acreditar jamais nisso, porque você está ajudando a contar uma história. Essa é uma coisa nobre, mas você não é a história, você só está ajudando a contá-la."

Um comentário:

  1. Sempre me surpreendo com a surpresa de Martin com a popularidade da série. Ela é fantástica. Além do fato de que ele é, afinal, Bilbo Baggins, e já devia estar acostumado com isso... rsrs!!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.