Ads Top

Steven Moffat responde curiosidades sobre Sherlock


Em chat com espectadores da PBS, Steven Moffat respondeu à várias questões como as lágrimas de Sherlock, o amor por Irene e John, inspirações e ainda se alguma teoria sobre "Reichenbach" já chegou perto da verdade!

[Contém Spoilers]

Steven Moffat: Olá

Você conseguiu uma boa reputação por seu estilo itenso e emocional de escrever "Sherlock" e "Doctor Who". De onde tira todas essas ideias loucas?

Moffat: Bem muito, no caso de Sherlock, de Doyle. Obviamente, nossa versão se tornou conhecida como a versão emocional, mas o fato é, pessoas usaram faixas pretas no ombro quando o Holmes Vitoriano morreu. Então não tem  nada de novo! É tudo de Doyle!

Quantas temporadas de Sherlock você gostaria de fazer?

Moffat: 167. Ah, quem sabe. Mark e eu temos vontade de fazer provavelmente pra sempre, mas não somos nós que decidimos. Mas dessa forma ocasial, de pequenos episódios, provavelmente ira extender a vida [da série]. Por mim e Mark, nunca ficaríamos cansados de Sherlock.

Obviamente o formato de três episódios por temporada significa que vocês tem bastante flexibilidade em cada estória de Conan Doyle que escolhem, mas alguma vez consderaria fazer um caso inteiramente original -- ou um baseado nos fiilmes de Rathbone?

Moffat: Certamente, consideraríamos qualquer coisa.

Irene Adler irá voltar?

Moffat: Irene - ah, é difícil saber. O que restou da história deles? Eles admitiram como se sente - do jeito louco deles - o que sobrou contar? Eu poderia estar mentido, claro, eu poderia ter o próximo capítulo todo na minha cabeça, em detalhes trágicos, românticos, contraditórios

Onde foi sua locação favorita?

Moffat: Ha! Essa pergunta é melhor pro Mark e pra Sue, que aparecem com mais frequência! Eu posso te dizer que a menos favorita foi o necrotério. Por mim, EU AMO quando estamos no 221B.

Você permitiria um spin-off de Sherlock?

Moffat: Se fosse um bom, e se não estragasse a nave mãe. É sempre bom ter mais. Mas não é bom ter mais do mesmo, o que PODE acontecer com um spin-off.

Steven, o que você admira na escrita de Martin e Steven Thompson? E qual a facilidade dos três trabalharem no roteiro?

Moffat: Eu acho que Mark tem um entendimento incrível do gótico e assustador, mas há tanta alegria que ele nunca se esquece de ser divertido. O amor que ele tem pelo grotesco deixa o grotesco estranhamente atraente. Steve tem um ENORME CÉREBRO MATEMÁTICO, o chega a assustar a mim e a Mark, mas o que eu mais gosto de tudo é o seu humor - piadas feitas sem esforço que te fazem rir antes que perceba. Mas ambos são escritores BRILHANTES e isso é o principal - melhor dos melhores.

De onde você tira algumas de suas ideias originais? Por exemplo, Sherlock não tem um Palácio Mental no original, então de onde você tirou a inspiração pra isso?

Moffat: Aquela cena foi complicada de fazer direito. Porque se você olhar bem, ela consiste em Sherlock dizendo "Peraí, me lembrei de algo importante que eu falhei em mencionar antes na trama...". Nós tivemos que DISFARÇAR isso. E durante um dos nossos muitos encontros angustiantes tentando fazer Baskerville fazer sentido, nós nos lembrammos de Derren Brown e seu palácio mental, então nós roubamos, Mark escreveu uma cena muito engraçada e ninguém percebeu que é um pouquinho de trapaça, Shhhh!!!!

Você acha que Sherlock ficará mais emotivo nas próximas temporadas? Nós vimos um progresso considerável entre a primeira e a segunda.

Moffat: Bem, eu não acho que ele irá suavizar algum dia. No original, ele fica, SIM, mas inteligente, engraçado, marginalmente mais heróico enquanto o tempo passa - mas retém aquela essência assustadora que o faz especial. Algumas vezes isso assusta mais, quando está mais disfarçada. Acho que ninguém deve achar que ele é MUITO emotivo.



Descreva em uma palavra como Sherlock fingiu sua morte.
Moffat: Inteligentemente.

As lágrimas de Sherlock em Reichenbach foram de verdade?

Moffat: Ele é Sherlock Holmes, ele sabe exatamente o que está fazendo. Sentimentalize-o por sua conta e risco.

Quais as chances de Moriarty voltar dos mortos? Andrew Scott estava incrível no papel.
Moffat: Você VIU todo aquele sangue???

Você já pensou em fazer uma aparição na próxima temporada?

Moffat: Não, nunca irei. Não sei atuar. Deixo essa pro meu esperto colaborador.

Irene de novo. Sherlock a amou de verdade? Ou ela foi meramente um catalisador para que ele descobrisse seu próprio coração/suas emoções?

Moffat: O que SIGNIFICA quando um rapaz pica terroristas por você com uma enorme espada? Ela é uma das poucas pessoas na Terra com quem ele se importa, o que quer que isso signifique nesse caso. Ele é fascinado por ela. Entusiasmado por ela. E por um momento, quenado ele a vê, ele pensa que talvez, só talvez, haja alguém como eu. O quer quer que esteja acontecendo, o grande homem não confidenciou aos seus biógrafos.

Mycroft é um personagem muito complexo. Veremos mais dele?

Moffat: Sim, tem uma cena no chuveiro vindo aí. Mark já está até indo pra academia. Além disso, sim, nós amamos Mycroft. Fiicou muito maior, muito mais importante do que nós esperávamos, principalmente em Escândalo. De alguma forma - pra mim - ele é a chave para Sherlock. Imagine aquele passado, aqueles meninos, aquela casa...

Porque Mycroft deixou Moriarty livre?

Moffat: Quem pode entender a cabeça de Mycroft? Eles tiveram tudo o que podiam dele - nada.

Quanto tempo você passa pessoalmente no set durante as filmagens? Com tantos projetos, você simplesmente deiza a magia nas mãos de Paul McGuigam & cia., ou você gosta de estar lá no meio de tudo?

Moffat: Sue está sempre no set, Mark frequentemente, eu, o mínimo. Mas um de nós três sempre estará por perto. É um programa muito bem amarrado - no momento em que vamos gravar, as decisões já estão tomadas. Eu sempre acho que se tenho algo vital a fazer no dia da gravação, é porque eu clararamente cometi um erro em algum lugar. O que acontece SIM. Estive bastante no set de Escândalo - porque Sue me forçou - e porque eu já tinha terminado o especial de natal de Doctor Who (Who Xmas).

Como é trabalhar com Benedict e Martin? Alguma boa história de bastidores pra nós?

Moffat: Bem, ambos são adoráveis e brilhantes. Mas esse é um programa que exige muita rapidez pra fazer, não há muito espaço pra piadas. Estou tentando pensar em algo engraçado. Benedict caiu uma vez, foi hilário. Mas você precisava estar lá. E você não estava. Desculpe.

[Moffat descreve como foi a queda de Benedict, no chat do Guardian aqui]

Muitos fãs estão interessados em uma questão. Há algum tipo de amor entre John e Sherlock?

Moffat: Eles se amam muito. Toda a história é sobre isso, sempre foi - estes dois amigos incaxáveis que completam um ao outro, e redimem um ao outro. É uma história de mais de um século, e nós não parecemos cansados dela, e porque estaríamos? Algumas pessoas querem que esse amor seja, bem, mais romântico, e boa sorte pra elas. Todos devem aproveitar o programa da forma que quiserem e todas as interpretações são igualmente válidas - Eu sou apenas o roteirista. Pessoalmente, eu pensava que as Panteras viviam na mesma jacuzzi - eu era feliz!

Você pensa em fazer alguma referência de Doctor Who em Sherlock ou o contrário?

Moffat: Ah, tem algumas se você souber pra onde olhar.



Se você pudesse levar um objeto do verdadeiro 221B, o que levaria?

Moffat: A poltrona ao lado da lareira, e me recusaria a sair, até que pudesse sair em um caso!!

Em uma entrevista antiga, você disse que lia todas as teorias sobre Sherlock ter enganado todo mundo com tanto sucesso. Alguém já chegou perto?

Moffat: Já, e foi há MUITO tempo. Eu parei de procurar, então não sei.

[Na noite do BAFTA, Moffat declarou: "Eu olhei na internet e procurei por todas as teorias e há uma pista que ninguém percebeu. É algo que Sherlock fez que é bem diferente do seu caráter, mas ninguém se tocou"]

Das duas séries, qual o seu caso favorito?

Moffat: Eu amo todos, honestamente. Não poderia escolher!

No final de Reichenbach, você pensou em NÃO mostrar Sherlock no final?

Moffat: Não, aquele era o nosso primeiro plano. Todo mundo sabe que ele sobrevive. Nós queríamos uma cena de morte definitiva nos braços de Watson. Uma lápide e ta-da!!

Você tem algum conselho pra alguém que queira se tornar escritor?

Moffat: Escreva. Escreva muito. Não peça conselhos, apenas escreva. E leia todo o tipo de material que você queira escrever, porque esse é o único conselho que importa. Se são roteiros, leia William Goldman - ele sabe de TUDO.

Íntegra aqui

Tradução: Sherlock Brasil

Um comentário:

  1. Eu acabei de assistir Reichenbatch pela segunda vez, e acabei de ler o post, nessa ordem. Já quero re-reassistir pra procurar a tal pista! Hahaha tudo o que sabemos é que a Molly vai ajudá-lo, mas COMO!? AAAh muito curiosa...

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.