Ads Top

Em fevereiro deste ano, detalhes sobre o Episódio Especial de Sherlock eram mais difíceis de encontrar do que pegadas incriminatórias no chão após uma chuva pesada. Nós não tínhamos título, trailer ou sinopse para o episódio definido como Victoriano, apenas uma única imagem de Benedict Cumberbatch e Martin Freeman retratada como que século XIX.

Armados apenas com isso, se tornou a tarefa de um grupo de jornalistas, que visitaram o set durante a época, virar detetive e descobrir o que poderia ser deduzido sobre o especial. Enfrentando um elenco e criadores bem acostumados a desviarem de perguntas durante a entrevista (e capazes de esconderem quase tudo), abaixo estão os resultados de um interrogatório rápido com Benedict Cumberbatch ...

Como você reagiu quando eles disseram que queriam fazer um Holmes na era vitoriana?


Fiquei empolgado! Finalmente poderia ter um maldito corte de cabelo [risos]. Simplesmente poderia penteá-lo pra trás e não teria mais aquele ridículo amontoado de cachos na minha cabeça. Daí logo em seguida, eu pensei: vocês estão loucos, ou o quê?

As primeiras informações que nos passaram não nos diziam muito . Foi no final do terceiro episódio da última temporada e eu realmente não entendia como eles iriam desenvolver aquilo. E, então, mais informações vieram quando eles começaram a discutir sobre a quarta temporada e pensei: tudo bem, isso vai ser muito divertido. E realmente tem sido.

É tão bom poder interpretá-lo em sua época. As coisas que são um pouco mais complicadas na era moderna, em que há um homem claramente um tanto fora de seu tempo, e colocá-lo de volta na época que ele foi originalmente escrito, é incrível. De certa forma foi mais fácil. São coisas que eu tentei impor um pouco também à nossa versão moderna, coisas como físico, estatura, um monte das quais são moldadas através do vestuário (chapéu de feltro, capa, colarinho) de modo que fazê-lo foi um prazer incrível. No entanto, não soa como clichê porque você está atuando a partir daquilo e não apenas citando. Você não está simplesmente trazendo esses itens de vestuário para a cena, eles eram funcionais naquela época, eram itens de moda, que acabam tornando-se icônicos para ele, além de bastante úteis.

A mudança de Era influenciou na sua interpretação do personagem?


Tenho certeza de que sim.

Sherlock está um pouco mais em paz com o seu entorno e o meio em que vive?


Um pouco. Quando ele está em plena era vitoriana é uma sensação realmente adorável.

Ele ainda é rude?


Sim, ele ainda é rude porque ele não tem paciência com mediocridade. Ele se guia através da meritocracia, por isso não importa se você é um Lord ou uma Dama ou se você está guiando uma carruagem, ou se você é um dos meninos que andam por Baker Street, se trata exclusivamente sobre o seu valor e as suas qualidades e não sobre a sua posição social. Então, sim, ele ainda é rude. Ele é rude com os idiotas ou as pessoas pomposas ou sexistas ... ele é um desbravador nesse quesito. E isso é sempre agradável de interpretar.

Qual é a relação entre ele e Watson? Watson teme mais Holmes nesse período?


Acredito que há mais respeito do que temor na relação deles.

Existe ainda o "bromance"?


Você realmente só quer escrever a palavra "bromance '[risos]

Não pode haver um artigo sem ele escrita lá!


Sim, pode. Você pode ser o primeiro a fazer isso! Esforce-se para ser a mudança na imprensa. [Riso]

Definitivamente se trata de um companheirismo que evoluiu em nossa versão, por isso não iremos regredir para algo como 'Uau! Nossa, Holmes!!' ou algum tipo de adoração a Nigel Bruce. É mais complexo que isso. É uma releitura de como eles eram nas histórias originais, mas com o nosso toque.

Nós não queremos fazê-lo como um esboço, não queremos transformá-lo em algo ridículo ou cômico, porque, ao mesmo tempo que queremos ser fiéis ao original, temos que ser fiéis à nossa versão. É aquele ato de equilíbrio muito delicado.

Existe um elemento de travessura em tomar a decisão de fazer isso agora?


Não muito.

Porque acaba confundindo os fãs sobre o que esperar após os ganchos?


Possivelmente.

Mas há um pouco de diversão nisso?


Sim. Acho que, quando necessário, há uma certa dose de maldade travessa (aquele ato de esfregar as mãos quando uma ideia interessante surge) por parte de Mark e Steven, mas quando você está atuando, você apenas vai lá e faz o que é pedido. Você está focado na cena que está fazendo.

Por conta do ambiente tradicional, você sente o peso das outras formas que Holmes já foi retratado?


Na verdade, não. Nós estabelecemos a nossa maneira da mesma forma que outros também o fizeram. Ainda estamos muito diferente da versão do Guy Ritchie, por exemplo. Esta não é uma versão punk drama de ação, ainda é nossa versão. Ainda tem as nuances do livro original, mas com o nosso toque. Então não. Sempre haverá comparações, sempre. Você não pode mudar isso.

Acredito que eu seja o septuagésimo sexto e Robert Downey Jr o septuagésimo quinto a interpretá-lo. E quando você é um dos muitos, sendo que vários o interpretaram de forma verdadeiramente imensamente icônica ao original, não é saudável para comparar.

Outra coisa incrível sobre voltar no tempo para esse episódio é que você pode realmente olhar para os livros como o seu material de consulta, que é, de certa forma, o que eu sempre faço na nossa versão. Mas é ainda mais qualificável inclinar-se sobre eles para alguma inspiração, visão e caracterização, de modo que tem sido bom. Mais do que procurar em outras versões, voltarmos aos livros como material de consulta.

Você acha que você teria aceitado fazer um Holmes na Era Vitoriana se a série toda se passasse nesse período?


Sim! Muito, muito mesmo. Eu realmente adorei fazer isso. Eu disse a Sue (Vertue) esta manhã, 'Vai ser difícil ...', você sabe, falar sobre talvez fazê-lo novamente. Foi realmente agradável.

Você quase preferiu assim?


Eu não sei. Eles são muito diferentes de se comparar em alguns aspectos. Sim, eu sou realmente uma droga para responder a perguntas sobre 'favoritos' [risos].

Deve haver algo de satisfatório para você em ter o cabelo penteado para trás e ...


Porque esse é o mais familiar. Como eu disse no início, você sente como se parte do peso tivesse sido tirado de cima de você, afinal de contas, você não está tendo que enquadrar este homem no século 21.

Eu não sei de qualquer outro ator que tenha passado pela mesma situação. Quer dizer, Rathbone saltou para a década de quarenta e lutou contra os nazistas, de modo que aquela foi a versão deles sobre aquilo. Há diversas roupagens modernas. Mas acho que sou praticamente o único que fez isso de forma tão radical.

O Holmes original era um campeão de boxe. Será que veremos você lutando?


Sim, estou sempre pronto para mais lutas e vivo dizendo isso a eles! Eu gosto de ficar me jogando pelo set.

O seu Holmes vitoriano é um tanto evoluído? Você disse anteriormente que ele critica as pessoas por serem sexista e assim por diante...


Eu acho que ele sempre foi. Ele era muito charmoso com as mulheres, era respeitoso com pessoas que, naquela época, você necessariamente não precisaria ser. Ele era um homem que focava mais na qualidade das pessoas do que em sua hierarquia social. O que estou tentando dizer é que não acho que estejamos retratando ele diferente do que ele é mostrado nos livros.

Não há perigo que os fãs modernos possam ficar um tanto perdidos com um Holmes na era vitoriana?


Eu não sei. Acho que não, ele tem brios! Ele não foi transformado em alguém 'patronizado', agradável e encantador. Ele define as coisas como elas são, ele é muito direto com as pessoas.

E você está fumando um cachimbo desta vez?


É um cachimbo de mentira. Eu não estou fumando, é um efeito. Mesmo que seja divertido só para ter em cena outra das características dele. Pode haver uma lupa ligeiramente maior do que a que eu costumo usar, para parecer um pouco mais familiar…

Alguma seringa cheia de cocaína?


Mais uma vez, o departamento de adereços está se divertindo bastante durante o trabalho. Todos os tipos de coisas estão sendo trazidas para este especial.

Steven Moffat disse uma vez que você tem que vestir o casaco Belstaff em todo episódio de Sherlock. Mas dessa vez você não o faz.


Não é contratual [risos]. Está ficando um pouco ultrapassado agora. Mark me deu uma no final da primeira temporada e eu perguntei 'O que você está fazendo?', no que ele respondeu 'Para você aproveitar, apenas se divertir, porque você só tem dois meses para usá-lo e você fica legal com ele' e eu meio que 'oh, que legal!' então eu usei por um tempo, mas mesmo assim eu comecei a pensar 'bem, não que alguém vá tirar uma foto minha agora, mas vai que alguém acidentalmente o faz e em seguida aparece escrito "Vagando em Hampstead Heath com a porra do casaco" [risos] para selar a minha reputação de idiota. Então tomei consciência em relação a isso.

Mas também tive que devolvê-lo porque nós acabamos ficando sem muitos deles. A Belstaff não os fabrica mais, assim voltamos ao ciclo de usarmos os que nós temos. Tenho certeza que ele vai vestir o casaco novamente. É como o cabelo, o casaco, os principais ingredientes ... mas o que realmente me faz cruzar a linha entre as épocas/gerações que retratam o personagem é a evolução dele e dos personagens dentro das histórias que você conhece e as histórias que criamos a partir das histórias que você conhece . Esse é de fato o nível de envolvimento que eu gosto, a parte de estar preso a detalhes que esperamos que sejam mudados em determinado ponto porque o que tem ao redor precisa evoluir em certo ponto também. Como ator, o que todos nos motiva a voltar e interpretar esses personagens é que existe justamente esse escopo que nos permite expandir, mudar e nos envolver.

Você acha que um episódio especial na Era Vitoriana poderia tornar-se uma tradição?


Continuar voltando para mais? Talvez sim. Eu não sei. Vamos ver como este irá se sair. Eu acho que se torna-se impossível de agendar uma temporada a cada ano, ano e meio, então, sim, com certeza, porque não?

É uma ótima diversão, mas ele ajuda no avanço das coisas, o episódio não está só por conta própria.

O quão determinado você está a continuar a fazer Sherlock?


Bastante determinado. Eu ainda estou gostando. Vamos ver como a próxima série vai se sair, mas, como eu já disse muitas vezes antes, eu gostaria de continuar fazendo ele através dos anos. Martin e eu começamos relativamente jovem em comparação com um monte de outros Holmes e Watson, então por que não?

A noiva abominável vai ao ar no dia 1 de Janeiro de 2016.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.