Ads Top

'O que iremos descobrir sobre Mycroft e Sherlock deixará tudo ainda mais interessante', diz Gatiss


Entrevista com Mark Gatiss


Mycroft Holmes
O que podemos esperar do primeiro episódio da quarta temporada?
Tradicionalmente, começamos com muitas risadas. Tivemos uma quantidade considerável de tempo desde a terceira temporada e um ano desde o especial, daí você sente a necessidade de se readaptar ao elenco, adicionando algumas coisas divertidas. Isso parece que sempre acontece quando temos que limpar o ambiente para nos livrarmos dos ganchos de tensão que sempre deixamos no último episódio.  
Colocamos esses momentos de diversão apenas com Sherlock e John curtindo estarem de volta em Baker Street com Mary e a a neném, mas então, essencialmente, os fantasmas do passado voltam e o episódio e a série fica mais sombria.

Você escreveu o primeiro episódio dessa temporada, qual foi a inspiração por trás do roteiro?
Como sempre, tiramos nossa inspiração das histórias de Sir Arthur Conan Doyle em maior ou menor grau. Por muito tempo eu quis fazer 'A Liga dos Cabeças Vermelhas' e achei que este poderia ser o momento em que eu fazer isso, mas logo se tornou aparente que a história mais adequada seria 'Os Seis Bustos de Napoleão', que é outro favorito. Ele se chamará 'As Seis Thatchers' agora, mas o livro foi a principal inspiração e isso está bastante nítido da história.

Como os personagens principais se desenvolvem nessa temporada? 
É muito difícil responder sem deixar escapar alguma coisa. Eles se desenvolvem de várias maneiras! Há uma humanização em curso de Sherlock, como Conan Doyle fez em seus livros. Ele se torna um homem muito diferente da primeira história até a última história. Mas ele nunca se torna um de nós e nem deveria. O Dr. Watson o treina para ser mais parecido com todo mundo. Ele é certamente mais compassivo, sabe que tem amigos que cuidam dele e ele passa por um enorme impacto emocional nessa temporada, todos eles na verdade, por várias razões que eu não posso explicar. É um clichê dizer que é a temporada mais sombria, mas é. É mais sombria, mas também a mais substancial, com o incidente dramático mais apropriado que poderíamos oferecer a eles.

A série está prestes a atingir o seu clímax? 
Várias coisas que temos planejado por um longo tempo virão a tona, espero que de uma forma muito satisfatória. Isso não significa que seja o clímax final necessariamente, mas pode ser. Quem sabe?

O que podemos esperar de Mycroft nessa temporada?
Segredos e mentiras! O relacionamento com Sherlock novamente se desenvolve; é muito mais  espinhoso e com mais combates que nas histórias de Conan Doyle. Nesta temporada descobrimos muito mais sobre o porquê  do relacionamento entre eles ser como é e é aí que as coisas ficam interessantes!

Fonte: BBC

LEIA TAMBÉM
- Louise Brealey: 'Quarta temporada é muito triste'
- Amanda Abbington e Rupert Graves falam do relacionamento de Mary e Lestrade com Sherlock 

- 'Nós os veremos em suas horas mais sombrias e em seus momentos mais tensos', diz Moffat  
- Martin Freeman: 'John gosta da adrenalina e a vida de casado não diminuiu isso'

 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.