Ads Top

Sherlock e sua necessidade psicológica de ter um melhor amigo


Sherlock e sua necessidade psicológica de ter um melhor amigo: semelhanças entre Victor Trevor e John Watson

O texto abaixo contém spoilers do episódio O Problema Final

Uma das informações que obtivemos em O Problema Final e que talvez você não tenha notado de forma mais profunda, é a explicação da proximidade e amizade de Sherlock e John Watson. Não que exista uma forma psicológica para explicar uma amizade mas no caso de Sherlock, vimos que sua mente projetava a falta do seu melhor amigo do passado, Victor Trevor, no atual.

Além de todas as informações e respostas esclarecidas, esse episódio trouxe o principal tema da trama PSICOLÓGICA DO PROTAGONISTA que era marcado pela perda do cachorro Redbeard. O que ele acreditava antes de encontrar sua irmã, era que Redbeard era um cachorro de estimação que tinha desaparecido na sua infância e que isso lhe proporcionou uma grande perda.

Mas Redbeard não era um cachorro e sim seu primeiro melhor amigo, Victor Trevor. Ambos brincavam de piratas como Yellowbeard e Redbeard, Sherlock e Victor respectivamente, provavelmente unidos para combater o "mal" ou conquistar juntos os sete mares. Essa união foi fortemente quebrada com o desaparecimento de Victor, o que atingiu Sherlock de forma inimaginável. Ele não só apagou o fato de seu melhor amigo ter sido um ser humano como, para amenizar a dor, o projetou como um animal e mudou sua própria personalidade a partir de então, além de ter apagado também a existência de sua irmã Eurus.

"Minha mente é um HD, lá eu coloco todas as informações úteis", disse Sherlock certa vez. Apesar de sabermos que Redbeard estava em sua mente, o detetive afastava qualquer tipo de pensamento que lhe causasse dor. Cresceu como um ser mais frio, sem muita empatia; porém, um dia ele encontra o Doutor John Watson. Além das semelhanças físicas com Victor, John se torna o melhor amigo que combate crimes junto com Sherlock. Nada diferente do que acontecia na infância, quando Sherlock brincava de heróis com seu melhor amigo. A partir do encontro entre ambos, seu psicológico é confortado pela perda e Sherlock começa a fazer o caminho de volta à humanidade que demonstrava na infância. Mesmo que conscientemente Sherlock ainda não saiba disso -- o que também explica o fato de sua mente ficar perturbada quando John é afastado dele, porque é como se revivesse o trauma de infância novamente. Como se Victor Trevor sumisse de novo.

Mycroft, sagaz como é, nota a ligação entre os dois a primeira vista, ao perceber como John se tornou fiel a Sherlock rapidamente. No casamento de John, ao falar sobre Sherlock se tornando sociável, cita astutamente sobre Redbeard (Mycroft provavelmente viu semelhanças entre Victor e John) e como já foi explicado, o objetivo de Mycroft era tentar exaltar as lembranças do irmão com palavras específicas. No jogo de Eurus, Mycroft provoca Sherlock para ser morto por este, pois ele sabia que Sherlock não sobreviveria a outro trauma de perder um segundo melhor amigo. Tudo pelo seu irmãozinho.

Se Sherlock sofria com as perdas momentâneas de John Watson em sua vida, isso nunca foi por acaso. Se Sherlock queria John sempre por perto, também nunca foi por acaso. Se Sherlock era muito próximo de John e tinha uma amizade profunda com ele e fazia tudo para não perdê-lo, simplesmente nunca foi por acaso (e isso não tem nada a ver com um romance). Não estou dizendo que a mente não possa obter novas emoções ou criar novos laços e relacionamentos, mas como Mycroft mesmo diz: "Tudo que você é hoje, é por causa de Eurus". Todo trauma que moldou a personalidade de Sherlock e o fez ser como era, foi devido a essa perda. A perda inconsciente do melhor amigo o fez projetar essa necessidade desse laço específico mais do que qualquer outro laço existente, mais do que um laço romântico ou um laço familiar (não é à toa que ele desdenhava de namoradas ou não era muito ligado à família; na sua mente isso não era importante naquele momento pois o principal laço ainda faltava ser preenchido). Se você leitor acha que isso pode ser um exagero, então pense na dimensão do trauma de Sherlock: imagine realçar a lembrança de uma pessoa e projetá-la como sendo um animal. Esquecer do outro, sendo este outro seu melhor amigo, é algo bem significativo e de tamanha proporção que as consequências são profundas.

Com esse trauma aparentemente resolvido e com seu melhor amigo do seu lado, Sherlock pode se abrir para outros laços, se aproximando da sua família (como vimos na última cena em que ele apoia Eurus, aparentemente tendo a perdoado e superado toda a situação). Eurus ter salvo John Watson reverteu de forma final e definitiva a dor da perda, como se Victor Trevor na mente de Sherlock, tivesse sido encontrado após ele tanto "o procurar". Eurus, ao sair de sua "caixinha", permitiu curar Sherlock. Não sabemos se esse era seu objetivo desde o começo, ainda que tenha usado das formas erradas. Talvez a frase que disse enquanto estava disfarçada como a filha de Culverton Smith, Faith, "você é uma boa pessoa" tenha reforçado o seu objetivo desde o início, ou talvez ela era realmente uma psicopata querendo apenas ajuda, sem saber que na verdade estava ajudando mais ainda.

O que importa é Sherlock Holmes e Doutor John Watson, ou as versões adultas de Yellowbeard e Redbeard, estão na ativa e o detetive teve sua trágica perda psicológica curada, podendo agora amadurecer e se entregar de vez para todos os laços que um ser humano necessita.

Ainda que todos nós que conhecemos a história de Sherlock Holmes saibamos como ela termina.

8 comentários:

  1. Colocou em palavras o meu pensamento. Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  2. Amei o texto! Mas como a história de Sherlock Holmes termina?

    ResponderExcluir
  3. Finalmente alguém com inteligência, sensibilidade e bom senso! Você disse tudo o que precisa ler! Obrigada pelo texto! Eu fico frustrada quando falam mal da quarta temporada e quando dizem que Sherlock e John são amantes ou algo assim. Entenda, não teria problema se fossem. Mas as pessoas distorcem as situações. Qual é o problema de dois homens morarem juntos e se amarem fraternalmente? Já basta o estereótipo de que não existe amizade entre homem e mulher, e agora estão levando isso para todas as formas de relação. Eu amo eles dois como são, a amizade, lealdade, respeito. Tanto que meus episódio preferidos são The Reichenbach Fall e The Sign of Three, onde eu mais vibrei pela forma como são retratados: dois homens correndo atrás de aventuras e perigo, dispostos a tudo um pelo outro. ❤

    ResponderExcluir
  4. amei a matéria e é exatamente como eu pensei. Sério, eu pensei muitas vezes em assistir a quarta temporada online, já que está demorando muito para o arte1 ou a Cultura passar a série, mas acredita que fui desencorajada fortemente por outros fans(?)por muitos não terem gostado? Mas eu assisti assim mesmo e gostei demais. Claro que havia algumas coisas não explicadas, mas todas as temporadas tem coisas difíceis de acreditar ou que não foram mesmo explicadas, então não vejo qual foi o problema.Difícil agradar a todos. Não tenho problema se o relacionamento deles seja apenas amizade ou não ( mas pessoalmente, acho que há algo mais sim), o que eu quero é que seja apenas John e Sherlock contra o resto do mundo, e o final ( espero que haja mais temporadas na verdade) foi justamente a forma que deve ser.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.