Ads Top

[SHERLOCKED]: Afinal, o que aconteceu após Sherlock resgatar Irene Adler?

Como muitos já sabem, no mês de abril aconteceu em Londres a primeira convenção oficial para os fãs da série. A 'Sherlocked: The Official Sherlock Convention', que reuniu fãs, elenco e produtores nos dois dias de evento, teve a sua cobertura feita pelo site Sherlockology e, durante os próximos dias, postaremos as traduções dos painéis que a equipe do site divulgou recentemente.

Para começar, a pergunta que tanto instigou a curiosidade dos fãs foi finalmente respondida pelo co-criador da série, Steven Moffat. Afinal, o que aconteceu após Sherlock resgatar Irene Adler?


Durante a 'Sherlocked: The Official Sherlock Convention', que aconteceu em abril deste ano em Londres, foram realizados diversos painéis com o elenco e os produtores que discutiram, durante os dois dias de convenção, variados pontos delicados dos personagens e da produção da série. Entretanto, nenhum deles revelou tanto quanto o autor e co-criador da série, Steven Moffat, que, em uma declaração surpreendente até mesmo para a sua esposa e produtora da série Sue Vertue, informou que recentemente havia escrito uma cena extra para o episódio “Um Escândalo na Belgrávia”.

O episódio da segunda temporada, que foi gravado em Agosto de 2011 e originalmente transmitido no Reino Unido no dia 01/01/2012 para uma audiência de 8.8 milhões de telespectadores, foi baseado no conto de Sir Arthur Conan Doyle “Um Escândalo na Boêmia” que contou com a presença d' “A Mulher”, também conhecida como Irene Adler “a mulher que o derrotou”.

Na versão de Doyle, Holmes é contratado pelo Rei da Boêmia para recuperar uma foto incriminadora do Rei e Irene Adler juntos, porém, apesar dos disfarces e planos complexos de Holmes para localizar a fotografia, ele acaba sendo superado por Adler que não só escapa, como também se despede dele disfarçada em trajes masculinos, fato que ele só vai descobrir tarde demais.

Na versão da BBC, escrita por Steven Moffat, vemos Adler jogar de forma admirável contra Sherlock, até ser superada pelo detetive e a escandalosa fotografia dela com uma jovem membro da Monarquia Britânica, acabar sendo confiscada por Mycroft Holmes. Adler acaba sendo capturada em Karachi e sentenciada à morte por decapitação por terroristas.


Embora tecnicamente Moffat tenha incluído a cena em que Irene Adler fala para Sherlock “É assim que quero que você se lembre de mim. A Mulher que te derrotou”, após a personagem bater nele com o seu chicote de dominatrix, o episódio recebeu críticas pelo fato de John Watson e Mycroft Holmes não terem tomado conhecimento de que Sherlock realmente foi ao encontro de Adler para resgatá-la e salvá-la de sua execução. Assim fica parecendo que Irene nunca derrotou Sherlock em seu próprio jogo, como é apresentado no original de Doyle.

Entretanto, essa recente revelação mostra que Steven tinha outras intenções que têm sido objeto de grandes especulações que tentam desvendar exatamente o que aconteceu com o casal após aquela noite em que ele a resgatou, uma vez que o cenário lembra muito as histórias de heroísmo reservadas ao personagem James Bond do escritor Ian Fleming. Na verdade, até mesmo Benedict Cumberbatch opinou sobre o assunto para uma audiência lotada durante o festival literário de Cheltenham em 6 de outubro de 2012, “Bem, vocês dizem que ele foi derrotado por ela, mas vocês sabem o que eles fizeram em Islamabad? Porque não houve nenhuma derrota. Foi tudo muito romântico”.

Alguns até mesmo sugeriram que Sherlock nunca visitou Karachi e que as cenas de flashback que são mostradas ao final do episódio “Um Escândalo na Belgrávia” nada mais são que uma fantasia fabricada pelo palácio mental de Sherlock.

Então, o que é verdade?


“A cena não ocorre no palácio mental de Sherlock, nem poderia!” confirma Steven, “Contaram uma mentira a ele sobre onde Irene Adler estava. Dessa forma, não teria como ele se imaginar a resgatando de um grupo terrorista se ele não soubesse a verdade. Ele realmente vai até lá e a salva. Ele realmente faz isso porque se você lembrar anteriormente na história, Irene fala ' Eu traço o meu caminho pelo mundo e o meu truque é que eu coloco as pessoas exatamente aonde eu quero que elas estejam quando eu precisar delas. Esse é o meu super poder. É isso o que eu faço.' Sherlock algumas cenas depois diz 'Eu sou o único homem que você não pode colocar uma coleira' e então na cena final… ele aparece vestido como um cavaleiro árabe, retalha alguns terroristas e Irene está lá sentada e vibrando”

Mas, se isso já não fosse o bastante, Steven conta que durante o período em que ele estava escrevendo o roteiro do terceiro episódio da terceira temporada (Seu Último Juramento) ele escreveu mais uma cena sobre o que acontece no final de “Um Escândalo na Belgrávia”, depois que Sherlock e Irene escapam.

“Na verdade, eu escrevi uma cena sobre o que acontece depois porque eu fiquei bem curioso a respeito daquilo. Eu tinha Sherlock se virando, após ter retalhado todos aqueles terroristas, ainda muito irritado e dizendo 'Eu espero que você não ache que isso signifique, de alguma forma, que eu tenho algum interesse em você' e Irene, que a essa hora já tem uma arma que ela pegou no chão apontada pra ele, responde 'Não! Mas eu vou precisar de vestimentas masculinas para sair daqui'”

“E então Sherlock é abandonado pelado e Irene foge vestida com as roupas dele. Isso é o que eu acho que teria acontecido no final”


Então por que essa cena extraordinária não foi incluída no episódio original de 90 minutos?

“Eu a escrevi há pouco tempo atrás apenas por ter ficado muito curioso” Steven admite, “Não é muito sobre o que eles fizeram aquela noite, e sim sobre o que falaram um para o outro. Você consegue imaginar ele irritado porque perdeu novamente”

Vamos deixas claro de uma vez por todas… Sherlock foi realmente derrotado pela Irene?

“Algumas pessoas dizem que ele saiu vitorioso; ele perdeu, pois ele admitiu se importar. Ao retalhar terroristas, corpos por todo o chão, ele coberto de sangue, tentando manter a dignidade dizendo 'Eu estava passando por aqui e essa parecia a noite perfeita para matar alguns terroristas… Oh, você estava aqui! Eu não sabia, eu nem ao menos gosto de você… oh, não aponte essa arma pra mim…' [Irene] 'Tira a roupa!', [Sherlock] 'Oh, isso não é justo. Eu salvei a sua vida!'”.

“E algo tipo isso acontece entre Irene e Sherlock a cada 6 meses e ESSA é a ideia deles sobre uma noite de paixão.”


Link Original: Sherlockology

4 comentários:

  1. Ia ser interessante ver essa cena gravada como extra nos futuros DVD's. Imagina!

    ResponderExcluir
  2. "com o casal" lol. nope. A Irene é lésbica, ela falou. Lésbica não tem interesse romântico ou sexual em homem (o que devia ser auto-evidente, mas parece que tem que falar ainda!). Ela admira a inteligência do Sherlock e vice-versa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irene na serie de TV é uma prostituta sadomasoquista e bissexual, ela se apaixonou por Sherlock, toda a historia entre os dois acontece em volta dessa ideia, Irene tenta usar a sedução como arma contra Sherlock vence mais depois ela perde pq se apaixona por ele, Sherlock também fica balançado por ela, mas para mim não fica claro se pq ela venceu ele e/ou por atração romântica/sexual, e não aconteceu nada entre eles depois do salvamento, se tivesse acontecido teria sido mostrado na historia literalmente ou de forma insinuada, qualquer coisa além disso é marketing ou fantasia de fã.

      Excluir
    2. Olha, eu nem ia falar nada, mas vamos lá.
      1) a Irene disse "eu sou gay", então ela não é bi. Sou bissexual e sei que não nos referimos a nos mesmos por esse termo, porque promoveria apagamento e uma definição errada. O show não cometeria um erro crasso desses, aimda mais considerando que a BBC é comprometida com inclusão.
      2. Uma dominatrix profissional não faz sexo com os clientes. E nem é "sadomasoquista". Uma cena de dominação incluí várias atividades e é uma experiência mais psicológica do que sexual. A Irene usa desua posição enquanto dominatrix para conseguir informações e segredos que ela possa usar em beneficio próprio.
      3. A Irene ser gay (e não bi, ou queer) é importante no contexto da conversa com o John.
      Do your research.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.