Ads Top

O Problema Final traz Sherlock de volta ao tom - Resenha sem spoilers


No dia 12 de janeiro, o último episódio de Sherlock, O Problema Final, foi exibido para o público no Instituto Britânico de Cinema, seguido por uma sessão de perguntas e respostas com elenco e criadores da série.

Aqui a gente traz a resenha sem spoilers do Sherlockology e faz um resuminho do que foi dito no evento em seguida.

Esta resenha presume que você já assistiu os episódios anteriores da quarta temporada

Com a chegada de O Problema Final, Sherlock volta a um tom similar ao que nós mais amamos na série - um detetive e um doutor correndo por aí juntos, solucionando mistérios.

Para essa finalidade, a caracterização está como você mais ama também. Sherlock Holmes tem uma boca movida a motor, freneticamente trazendo coisas à tona e resolvendo pistas nas circunstâncias mais desesperadoras. John Watson é o homem nobre e conflituoso de novo, carregando uma tristeza devido à perda de sua mulher, mas novamente o verdadeiro e leal Doutor do Exército. Mycroft Holmes está fortemente envolvido e é enérgico e irritável enquanto revela novas facetas de seu personagem. Molly Hooper está em seu melhor e mais frágil e vulnerável estado. Mrs Hudson mantém sua agudeza vista na última semana. E Lestrade é Lestrade, a quem é dado pouco a fazer mas que ainda tem um momento que levou a comemorações e aplausos. Todos estão excelentes em geral, particularmente os protagonistas, enquanto a situação continua a se desenvolver.

Em termos de tonalidade, se há algum outro episódio que podemos chegar perto em comparação é Os Cães de Baskerville, da segunda temporada. Imagine aquela cena do John dentro do laboratório em Baskerville, prestes a surtar, mas durante muito mais tempo. O Problema Final é talvez o episódio mais cheio de tensão que Sherlock já produziu, de movimentos inquietos, e com uma verdadeira impressão de que todas as apostas estão em jogo aqui. O diretor Benjamin Caron criou  90 minutos cinematográficos repletos de emoções e aventuras que provavelmente farão você se segurar bem firme em sua poltrona. Se você estiver sentado no chão, talvez acabe enterrando sua cabeça nele.

É claro que há algumas falhas, e posteriormente nós falaremos sobre elas, mas por agora é de vital importância preservar a experiência de assistir esse episódio sabendo o mínimo possível da trama. O prazer de se sentir na pista errada até as grandes revelações serem jogadas é ao mesmo tempo frustrante e empolgante. Esse é tranquilamente o melhor episódio da quarta temporada, e com o risco de de causar o hype de ser o melhor episódio desde A Queda de Reichenbach, com um maravilhoso e perfeito final que pode ou não ser tão finito quanto o título sugere.

Apesar disso, esteja certo de que quaisquer que sejam suas opiniões a respeito desse episódio, não há como negar que Os Rapazes de Baker Street estão de volta em seu melhor.


O screening

Algumas informações (sem spoilers) que foram postadas no Twitter. Veja nossa cobertura em @Sherlock_Brasil:

- O Problema Final termina com um final bem amarrado, sem um gancho. O que indica que foi feito um desfecho para a série. Apesar disso, Steven Moffat disse: "não está em nossos planos que este seja o episódio final, mas poderia muito bem ser";

- Como dito anteriormente, as pessoas que assistiram disseram que o episódio é tão bom quanto T1E3: O Grande Jogo, T2E1: Escândalo na Belgrávia ou T2E3: A Queda de Reichenbach, sendo um suspense eletrizante;

- Algumas pessoas tinham a dúvida infundada de que a terceira e a quarta temporada aconteciam no Palácio Mental de Sherlock - não acontecem;

- .Perguntaram ao Moffat como o relacionamento entre Sherlock e John se desenvolveria se houvesse quinta temporada e o Moffat disse que continuariam amigos que solucionam casos e mandou lerem os livros;

- Isso significa que o relacionamento também não acontece na quarta temporada;

- O público aplaudiu de pé o episódio no final.


Leia também:

Steven Moffat: Quinta temporada de Sherlock é incerta
O Problema Final: "Alguém vem fazendo um jogo realmente muito longo e Sherlock e John enfrentarão seu maior desafio de todos"

Assista ao trailer legendado


5 comentários:

  1. ALERTA SPOILER !!!

    Como explicar o som do violino sem o vidro? A voz foi o modificador na garganta, mas é a música? Não foi uma gravação pq o timing dele se aproximando e ela arranhando as cordas seria complicado, tudo bem que a Eurus prevê atentados 3 meses antes de acontecer...mas convenhamos. Mas um pessoa tão observadora como Sherlock não sentiria a mudança de temperatura pela falta de vidro? Até mesmo corrente de ar, a voz do próprio Sherlock numa sala com vidro reverbera diferente do que uma sala sem vidro. Achei uma falha grotesca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia é q ele estava "hipnotizado" ao ver a irmã pela primeira vez...e deixando de reparar em coisas simples.

      Excluir
    2. Era tudo um sonho? Uma ilusão? Prefiro acreditar que sim. Tudo o que se passou em 4x3 estava dentro do 'palácio mental' de Sherlock. Como em A Noiva Abominável. Uma viagem interior. Até pq nada ali faz muito sentido e há muitos furos... vozes na cabeça de sherlock... cenas, cenários mutantes e acontecimentos absurdos (como num sonho) .. Watson preso num poço com correntes nos pés, mas salvo por sherlock usando apenas cordas (e as correntes??) enfim...

      Excluir
  2. No final das contas...Moriarty foi um instrumento de Eurus para conseguir fazer oq ela sempre quis: "jogar" com Sherlock.

    Não q com isso, Moriarty tenha deixado de ser o gênio do crime q conhecemos...mas antes dos seus 5 minutos com a Eurus (q fazia "lavagem cerebral" em qualquer um), ele apenas era um criminoso reconhecido, mas sem o facínio por Sherlock.

    A partir da conversa q os dois tiveram, Moriarty passa a "perseguir" Sherlock e a jogar com ele. E ai, a estória como conhecemos.

    A percepção de vcs tb foi essa? Foi mto claro, um pouco claro, ou não tem nada a ver oq eu falei? :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente faz sentido o que você escreveu... eu ainda não tinha pensado nisso. Era a noção dela sobre brincar com o irmão, e ainda envolver os sentimentos de abandono que ela tem, pq queria que o Sherlock ficasse sem mais um melhor amigo, e acabar de vez com a figura fraternal do Mycroft.

      Tbm penso que nem vc qto ao Moriarty.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.