Ads Top

Sacrifício, amor, perdão e redenção: os valores morais da quarta temporada


Sherlock: sacrifício, amor, perdão e redenção - Os valores morais da quarta temporada e o que a difere das séries atuais

Este texto contém spoilers da quarta temporada

Ao ser questionado sobre o que esperaríamos do desfecho da quarta temporada, Benedict Cumberbatch afirmou que "O amor vence tudo". E ele não estava mentindo. A quarta temporada foi feita não somente para fornecer respostas, como nos mostrar algumas lições de morais, mesmo que isso não tenha sido feito propositalmente. Os ensinamentos que ela nos trouxe, difere e muito da maioria das séries que assistimos atualmente e não no sentido moralista, mas no sentido de rever valores esquecidos ou "desatualizados":

Sacrifício e Amor: "Me perdoe por ter atirado em você, Sherlock"

Mary Watson não poupou a si mesma ao se atirar na frente de seu amigo para salva-lo. Muitos fãs afirmavam que Mary era egoísta porque atirou em Sherlock, mas em seus minutos finais ela perde perdão por isso, ou seja, ela nunca esqueceu o mal que fez a ele. Mary amou Sherlock profundamente e tinha uma amizade preciosa por ele (não vou dar detalhes disso porque será minha próxima análise), a questão é que tivemos aqui uma cena rara de se ver hoje em dia: uma pessoa se sacrificando pela outra, abrindo mão de si mesma e de sua vida para que outra viva. Sherlock sempre a perdoou desde o início, apesar dela ter pedido perdão quando estava agonizando. É enaltecedor ver uma cena assim, mesmo ela não tendo sido feita de uma forma tão envolvente como esperávamos.

Sacrifício e Redenção: "Goodbye, brother mine" (Adeus, irmão meu)

Durante toda a série, Mycroft foi um personagem que dividia opiniões. Muitos diziam que ele controlava Sherlock e piorava seu estado de espírito, outros diziam que ele usava seu irmão mais novo para seus objetivos mas a grande verdade foi revelada em TFP. Mycroft se redimiu para todos nós ao pretender sacrificar a si mesmo para ver o bem do seu irmão mais novo. Ao provoca-lo no game de Eurus, sua intenção era que Sherlock o escolhesse e atirasse, pois, ele já sabia que o trauma de infância do irmão seria duas vezes pior caso John morresse. Mycroft pretendia entregar sua vida por amor. O Ice Man amava mais o seu irmão do que a si mesmo, uma bela redenção não?


Sacrifício e Perdão: "Eu matei a esposa dele"
Sherlock admite sua própria culpa pela morte da esposa do seu amigo e sem pensar duas vezes, se entrega às drogas para salva-lo. Ele não só cumpre o desejo da sua amiga morta como arrisca a própria vida para tirar o seu companheiro da escuridão. Mesmo tendo sido acusado de assassino pelo seu amigo, ele não só não guarda mágoas como atinge a si próprio para poder recuperá-lo. É irônico pensar até que ponto ele chega por alguém, mesmo mostrando que não tinha empatia no início. É realmente uma evolução de sentimentos.

Perdão e Redenção: "Você não tem culpa pela morte da Mary". "Eu quero ser um homem melhor".

Ao proferir essas palavras John perdoa Sherlock (em seu coração, ele era o culpado pela morte da esposa) e também perdoa a si mesmo ao reconhecer que ele não era o homem que Mary imaginava. John foi mesquinho em alguns sentidos e pensava em si mesmo em algumas ocasiões, principalmente quando transferiu a culpa ao seu melhor amigo e esqueceu da sua própria. Ele se arrepende por ter culpado seu amigo e se arrepende por ter transferido sua atenção para outra pessoa que não era Mary. No final, Sherlock ainda o consola: "Somos todos humanos" e o abraça para conter a sua dor. Irônico pensar que muitas séries tratam a traição como algo comum e normal hoje em dia, mas John promete que seria um homem diferente desses.


Sacrifício e amor: "Diga que me ama, como se fosse verdade"

Não sabemos se Sherlock ama Molly de verdade do jeito como ela gostaria e o próprio Gatiss (produtor) afirmou que isso ficaria nas entrelinhas para os telespectadores, mas o que sabemos é que Sherlock fez tudo para salvar sua amiga. Em meio ao desespero, ele afirma algo que jamais pensou em falar. Palavras de amor para Sherlock sempre foram motivos para desdém, pois, ele afirmava que ligações românticas só o enfraquecia. A questão é que para salvar a vida da sua amiga, ele não pensou duas vezes ao dizer algo que era muito difícil pra ele. Como não afirmar que isso é um belo sacrifício? Quando viu que a machucou profundamente, ele simplesmente surtou porque não acreditava que chegou a feri-la a um nível extremo. Como afirma Eurus: são tantas e pequenas emoções que não se pode nem contar.

Amor e Perdão: "Porque é verdade. Sempre foi verdade"

Apesar da cena ter muitas controvérsias, e todos nós concordarmos que Molly merecia um final mais feliz, não podemos deixar de afirmar que o amor que ela sente por Sherlock é algo bonito de se ver se compararmos com os amores relâmpagos que temos hoje em dia (não só nas séries, como também, na vida real). A superficialidade dos sentimentos é algo muito visível em qualquer arte, porém, em Sherlock vimos que isso pode ser bem diferente. Vimos um homem que ainda ama sua esposa e usa sua aliança mesmo após sua morte e vimos uma garota que consegue guardar um amor puro por muitos anos, mesmo não pedindo nada em troca. Molly também perdoou Sherlock ao aparecer feliz na Baker Street. É provável que ele tenha se desculpado e ela tenha perdoado a situação toda. Perdoar é difícil de compreender ás vezes, mas é um ato que não procura seus próprios interesses.


Perdão e Redenção: "Não existe uma saída para mim".

Mesmo após todas as atrocidades cometidas por Eurus, Sherlock não pensou duas vezes ao salva-la e perdoa-la. Eurus estava perdida em si mesma e não sabia como sair disto. Ela cometeu muitos erros durante toda a sua vida mas recebeu o perdão daquele que ela mais magoou. Mesmo com todos os traumas, mesmo por ter perdido seu amigo, Sherlock a perdoa. Muitas pessoas criticaram essa atitude de Sherlock afirmando que ele não deveria perdoa-la pelo que fez, mas ele sentiu que seus traumas haviam acabado e ele sabia como era se sentir sozinho como ela estava se sentindo. Perdoar foi o ato de unir mais ainda a sua família e deixar as mágoas para trás. E ainda mais: pela sua irmã, ele ainda a visita e toca o instrumentos que mais facilita a comunicação entre eles.

Conclusão: "O amor conquista tudo"

Ok, Sherlock nunca foi a série mais moralista do universo, mas é inegável que seus valores foram exaltados nessa última temporada. Algumas pessoas criticaram esses valores, talvez porque eles estão sendo pouco utilizados hoje em dia e não estamos mais acostumados com eles. A questão é que a frase que Benedict soltou foi a mais pura verdade. O amor realmente prevaleceu em uma série tão bem definida por usar mais o cérebro do que qualquer coisa.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.